Como desenvolver o hábito da Acabativa?

Nos últimos conteúdos postados aqui no blog da Acabativa, falamos bastante sobre organização e produtividade, metas, aprender com os erros, motivação e sobre várias ferramentas e comportamentos que podem nos auxiliar a concluir nossos objetivos e projetos, ou seja, ter acabativa.

Acredito que ainda há uma dúvida em meio a tantas informações: como colocar tudo isso em prática? 

Como ter acabativa?

Para conseguirmos concluir nossos projetos, realizar nossos sonhos e deixar a palavra “desistir” de lado, precisamos começar pelo “querer”. Se não quisermos o resultado desta ação, nossa trajetória será ainda mais desafiadora.

Além de querer alcançar o objetivo, precisamos mudar nosso comportamento para colocar essas ferramentas em prática. A acabativa está muito relacionada ao nosso comportamento, como agimos em determinadas situações.

Para conseguirmos concluir nossos projetos, precisamos contar com alguns recursos como disciplina, foco, atenção e motivação.

Disciplina

Segundo o dicionário, disciplina é a obediência aos preceitos, às regras. Também é o modo de agir que demonstra constância.

Com disciplina, conseguimos cumprir nossas tarefas. Geralmente exige um certo esforço por conta desta obrigação à obediência e à constância. Porém, quando temos um grande objetivo ou seus resultados geram uma boa recompensa, cumprimos as regras e obrigações a caminho da conclusão.

Foco

Foco é ter um objetivo bem definido, ser determinado a alcançar ou atingir uma meta, ter prioridade em fazer algo sem desviar de caminho.

Com foco, mantemos a atenção em nosso objetivo, livrando-nos de distrações e exercitando o autocontrole. Por isso, ele é extremamente importante em qualquer atividade.

Quando nos distraímos, ou seja, tiramos o olhar do foco e passamos a olhar e perceber o todo, nosso objetivo principal divide a sua importância com outras atividades.

Logo, não conseguimos finalizar o que começamos, iniciando outras atividades que, provavelmente, também não serão finalizadas.

Atenção

A atenção é a nossa percepção direcionada à alguém, à alguma coisa ou ao ambiente. Ela pode ser ativada de forma passiva, mas também pode ser seletiva e focada. 

Muito similares, a atenção e o foco se complementam, resultando em concentração.

A concentração é a atenção focada em uma atividade, é a realização de algo com atenção exclusiva.

Motivação

Como disse recentemente no artigo “Motivação da iniciativa à acabativa.”,  a motivação é o motivo para ação, ou seja, é o que nos move, o que nos faz sair de onde estamos.

Quando iniciamos um projeto, saímos de um ponto A, a iniciativa, podendo ser um período ou fase que precisava de uma mudança.

E partimos em direção ao ponto B, a acabativa, podendo ser o resultado esperado que nos fez sair do ponto A.

Porém, nem sempre essa trajetória, do ponto A ao ponto B, é uma linha reta. Talvez essa linha seja tortuosa ou com alguns obstáculos. Logo, a motivação é a chave para manter a mesma energia de ação do início ao fim, sem chances para a estagnação.

A Acabativa é um hábito

Analisando todos esses comportamentos, podemos concluir que a acabativa é um hábito.

Um hábito é um comportamento frequente que se instaura em nossa mente pela repetição e, quanto mais repetido for, mais forte ele fica.

Por issoque o aprendizado sem a prática cai no esquecimento, porque memorizamos e nos habituamos a determinada situação com a repetição prática.

Nós, seres humanos, temos o hábito de não acabar nossos projetos, de fugir de determinadas situações de risco ou buscar outras alternativas quando o resultado não é como o esperado.

Esse nosso comportamento de fuga, paralisia ou ataque tem a ver com nosso cérebro reptiliano, que é o nosso “sensor” de proteção e sobrevivência, conforme abordado no artigo “Os sabotadores e a falta de Acabativa”.

Muitas vezes precisamos encarar nossos desafios para conquistar o que tanto queremos.

Para isso, precisamos ter o hábito de concluir as coisas, de ter disciplina, foco, atenção e motivação.

Não são todas as pessoas que têm essa facilidade, por isso, vamos entender como desenvolver um hábito.

O Ciclo do hábito

Conforme dito anteriormente, o hábito se constrói pela repetição de um comportamento. E, após a sua construção, essa repetição acontece sem que a gente perceba e sem esforço. 

O ciclo do hábito é composto por três etapas, que Charles Duhigg (autor do livro O Poder do Hábito) chamou de “deixa-rotina-recompensa”

Cada vez que um hábito ocorre ele tem um estímulo, que dispara uma ação e que gera uma recompensa. 

Então, vamos entender como funciona o ciclo do hábito:.

ciclodohabito

Deixa ou gatilho

Um hábito entra em ação com uma deixa. A deixa é o gatilho que dispara um sinal para o cérebro alertando o momento de executar o tal comportamento deste hábito.

A deixa pode ser um horário, um sentimento, um dia, a temperatura, o local, um alarme.

Rotina

A partir do gatilho da deixa, executamos uma rotina. 

A rotina é o comportamento do hábito, aquilo que a gente faz sem perceber, geralmente é o componente que nos incomoda (no caso de um hábito ruim) ou nos orgulha (quando é um bom hábito).

Recompensa

A recompensa é o que esperamos obter com o comportamento que realizamos.

Por isso vale reforçar que, em todas as nossas atitudes, sempre ganhamos e perdemos algo.

Com bons hábitos, fica claro visualizar a nossa recompensa com o que ganhamos.

Quando temos um hábito ruim, apesar de ser inconsciente ou não termos coragem de assumir, o que ganhamos é a nossa recompensa.

Cada vez que somos recompensados pelo comportamento, recebemos um reforço para que ele se repita.

Quanto maior o número de repetições do ciclo, mais forte e automático fica o hábito.

Identificando os elementos

Apesar de parecer simples, alguns destes elementos são difíceis de serem identificados. 

A deixa e a recompensa muitas vezes não são claras, dificultando o nosso entendimento sobre o hábito.

Por isso, é importante anotar e testar todos os estímulos possíveis antes de promover uma mudança. 

É preciso mapear muito bem a deixa para substituir um hábito nocivo.

A recompensa também exige muita atenção e estudo. Muitas vezes não é tão óbvio identificar o que ganhamos quando um hábito é executado. Pode ser uma sensação física, um sentimento ou algum bem material.

Depois que a deixa e a recompensa são identificadas, podemos então partir para a mudança do comportamento e substituir o hábito que não desejamos mais.

Ciclo do hábito da desistência

Colocando em prática o ciclo do hábito, a desistência de um projeto inicia com alguma deixa ou gatilho, podendo ser o medo do resultado, insegurança da qualidade do mesmo, impaciência quanto ao tempo de retorno, entre tantas outras situações.

Esta deixa nos gera o comportamento de parar, de desistir. Este comportamento, ao ser repetido várias vezes, vira uma rotina. 

Geralmente, a recompensa para o hábito da desistência está relacionada com evitar transtornos, evitar desconfortos, como um sentimento de proteção. 

Logo, sempre que um desses gatilhos aparecerem, a rotina será a desistência com a recompensa de conforto, de proteção ou o famoso “foi melhor assim”.

O que fazer quando acontecer a desistência?

O hábito da Acabativa deve ser instaurado com a seguinte repetição: retomar, aprender e comemorar.

Como o desenvolvimento de um hábito acontece com uma série de repetições até que virem ações sem esforço, quando queremos desenvolver um novo hábito, essa repetição inicial exige a disciplina, o foco, a atenção e a motivação que falamos há pouco.

Por isso, temos grandes chances de falhar nesta fase de repetição inicial. 

E não devemos nos culpar pela falha, porque esta culpa pode nos sabotar. Mas devemos usar esta falha como gatilho para a retomada do projeto.

Com o gatilho da desistência, devemos instaurar a rotina de retomar o projeto e analisar os aprendizados com essa situação (o que nos fez sabotar, qual a crença que nos limitou).

A recompensa deve ser a comemoração da retomada, do aprendizado e de cada conquista a caminho da acabativa.

E, se por algum motivo, pararmos de novo, devemos repetir o ciclo: retomar, aprender e comemorar. Até virar o hábito do recomeço rumo à acabativa.

Mais importante: Não desistir

Ao meu ver, o que é mais importante em nossa vida é não desistir. Não devemos desistir dos nossos sonhos, de grandes amores, de projetos que poderão mudar nossas vidas e dos nossos objetivos.

Devemos sempre buscar alternativas para finalizar nossos projetos e evoluir sempre, em direção a próxima atividade, a próxima meta, ao próximo objetivo.

Desenvolver o hábito da ACABATIVA e evoluir.

A Acabativa não é um fim.

Sempre que há Acabativa, há um recomeço ou um novo começo!

Karina Lima

Um comentário em “Como desenvolver o hábito da Acabativa?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: